A violência masculina nas redes sociais

A violência masculina nas redes sociais não é uma novidade. Vem crescendo. Vem se proliferando em uma velocidade muito maior que os programas de prevenção. A violência masculina produz vítimas silenciosas, com ameaças, com intimidações e provoca na mulher um silêncio. Infelizmente, tivemos mais um brutal caso recente. Vários comentários a cerca da mulher e sua conduta. Todos esses comentários foram feitos de maneira sórdida para culpar a mulher.

Sabemos que a violência masculina é uma ação estruturada, analisada, planejada dentro de um perverso sistema de poder, controle e medo. A violência masculina utiliza de meios altamente sofisticados para iludir e comprometer a segurança da mulher. A primeira ação dessa violência masculina é torna-la refém do próprio sistema de poder. E ser dominada é a primeira reação da violência masculina. Se sentir no controle, permite ao homem que pratica a violência masculina a sensação de poder sobre o corpo da mulher. A violência masculina não destrói apenas o corpo. Ela corrompe a dignidade, não só da mulher agredida, mas de todas as outras mulheres. Ela marca o rosto, o corpo e a vida de toda e qualquer mulher que sonha em realizar seus próprios desejos.

A violência praticada por este homem contra esta mulher deve ser vista como um símbolo do poder do homem que deseja a continuidade das desigualdades entre mulheres e homens. Não está apto a viver em uma sociedade onde todos temos direitos. Não deseja mudar para que se permaneça no domínio da situação. Homens cometem violência não por um distúrbio mental. Mas é claramente resultado de uma convulsão social na ordem dos papéis entre mulheres e homens, ou seja, é resultado de uma sociedade androcêntrica, patriarcal e misógina.

Existe um solo muito fértil para a multiplicação destes fatos. Estamos falando que mesmo tendo leis adequadas à realidade, o mesmo poder público tem pouca habilidade em mudar o paradigma sobre os Direitos Humanos da Mulher. Até parece que o Poder Público também foi invadido pelo controle machista. E mesmo aquela dona sentada, com olhos vendados e espada na mão não é mais uma mulher. Mas apenas um fantoche da sociedade machista que pode ser mordida, socada e estrangulada.

 

SERGIO BARBOSA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *